terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Sissi - Cenas de gaja

Livro basicamente sobre sexo, as opiniões e experiências de uma mulher que se dá a conhecer e que pretende mostrar o sexo não como um pecado mas como um prazer, não como um dever mas como uma vontade, e que ter desejos e gostar de sexo não tem nada de estranho.
Livro para maiores de 21 anos (diz mesmo isto na capa.) e NÃO recomendado a moralistas e conservadores, se for esse o seu caso, por favor não leia as frases em baixo.

Um livro divertido, que aborda alguns assuntos sérios sem perder a leveza e o bom humor, gostei e recomendo.


"Fod*-se melhor quanto mais se fod*"

"Na cama, no pagar para ver, nos finalmentes, na real thing, quantas de nós reclamamos o direito de ser bem fodid*s?"

"Para que queremos nós a igualdade entre os sexos se para ser fodid* eu terei de continuar deitada e à espera que o façam?
O sexo não é, nunca foi, nem será politicamente correcto."

"Porque atrás das escolhas vêm as decisões e a inexorável possibilidade de patear no caminho errado."

"Das coisas que mais me orgulho destes anos de existência é das relações que tenho vindo a construir com as pessoas. Especialmente com os amigos. Da forma intensa com que lhes digo e mostro que o meu afecto por eles é verdadeiro e do que isso lhes provoca."

"Homens e mulheres podem ser amigos e fod*r"

"Todos temos um passado e todos também já fizemos sexo sem preservativo. A quem não o queira usar, mando-o fod*r com outra que não eu.
E quando um dia me encontrar numa relação, espero que o meu parceiro seja testado, como eu o farei, e espero, sobretudo que se decidir fod*r com oura pessoa que não eu, use o preservativo, Antes a dor de corno que a morte."

"Há homens que fod*m mulheres, homens que fod*m homens. E depois há homens que fod*m mamas."

"Sexo oral é uma arte."


"Uma mão mole permite uma pila mole e essas já as há que chegue."

"As mulheres só fingem orgasmos porque os homens fingem os preliminares."

"Não matem o broche."

"Não me apetece fod*r nem me apetece explicar porquê."

"Matar o broxe é também não exigir um minete."

"Sempre me questionei como seria possível considerar-se o broche um acto de submissão da mulher, quando é esta que tem as jóias da coroa do parceiro na boca. Que tipo de submissão permite à mulher controlar o «àmago» do outro?"

"Quantos homens saberão a diferença entre chupar languidamente o clitóris e sugá-lo como se estivesse a chupar cabeças de camarão?"

"Sou das que diz tudo como os malucos."

"Não admito que me tomem como garantida. Sou como um carro de gama alta. Tenho uma manutenção cara mas sou pá vida."

"Mas quando o desejo é uma coisa já mal contida, os critérios mudam e não é pouco."

"Somos uma série de coisas diferentes em situações diferentes."

"Gosto de tudo mas tenho dias em que não me apetece nada."

"Da mesma forma que o Sporting não nasceu para perder jogos e o Benfica para os ganhar, as mulheres também não foram feitas para ser rejeitadas sexualmente."


Sem comentários: