sábado, 7 de novembro de 2015

Rita Ferro - Nao me contes o fim

Este é daqueles livros que não consigo dizer se recomendo ou não e o motivo é simples: o  livro conta-nos a história de uma jovem e da sua família, uma história cheia de depressões e problemas e o inicio do livro é de uma leitura pesada e desinteressante mas aos poucos vai melhorando e começa a ser verdadeiramente viciante, queremos mesmo ler, saber o que vai acontecer a seguir, saber como a história se vai desenrolar e acabar mas depois chegamos ao fim e o final é tãoooooo mau, que fiquei mesmo desiludida, ou seja o inicio do livro é meio pesado, o meio é absolutamente fantástico e o final é uma desilusão, por isso não sei se recomendo ou se o voltaria a ler, acho que é daqueles a que tem de se lançar por vossa conta e risco.. ahahha.. e já agora, alguém por ai leu e gostou do final?

Ficam algumas frases:

"Há dias em que me sinto cativante e difícil de ignorar, noutros incolor, insignificante, invisível."

"Já fui um fantasma."

"Não tens culpa mas estragaste-me o dia."

"- Queres ser feliz?
- Basta-me não te ver."

"A indiferença não passa de uma atitude, pois ninguém é imune a insultos, reparos ou desconsiderações."

"Tenta perceber-me."

"É por recearmos decepcionar os outros que embarcamos, tantas vezes no navio errado."

"Deixa-me não falar."

"Cuidado, meninas, que o diabo é bonito!"

"Tudo tem a sua hora, no que respeita a consciência, e o tempo nunca se perde, ganha-se."

"O amor encerra este paradoxo, este absurdo doentio e insolúvel: podemos querer bem a quem nos quer mal. Ou fazer mal, a quem nos quer bem."

"O silêncio chorava."

"Há alturas na vida em que a dor é tamanha e tão insuportável que até o amor nos parece imprestável."

"O coração tem limites."

"A vida fala, nunca a ouviste?"

"Sigam as vossas estrelas que eu seguirei a minha.

Sem comentários: