terça-feira, 1 de setembro de 2015

Pedro G. Rosado - Crimes Solitários

"Crimes solitários" é um livro de ficção policial e é - na minha opinião - daqueles livros que se lê facilmente mas que não prende, não tem uma grande história, nem momentos que nos deixem sem fôlego, tem isso sim, um final totalmente inesperado.
Portanto é na minha opinião um livro banal que valeu pelo final.


"O mundo não é suficientemente grande para mim... O meu mundo não é suficientemente grande... Estou no primeiro andar do mundo... ainda falta muito para chegar ao último andar."

"A morte, vista de perto, tem muitas caras."

"O mundo transformou-se num casulo escuro."

"Quando se aponta o dedo à lua, o idiota olha para o dedo."

"Temos um acordo de cavalheiros e nós somos cavalheiros."

"Por trás de cada porta pode haver sempre um terrorista."

"O desgosto arrefecia-o ainda mais sem que a fúria que também sentia, o aquecesse."

"Chorou. De desgosto, de raiva, de paixão."

"Os homens fracos enfraquecem os homens fortes a quem se ligam."

"É muito chato ser corno, mesmo que já se seja viúvo."

"Um policia não ajusta contas. Faz justiça."

"A dor ficou e assentou fundo."

"Foste tu que me mataste por dentro."

"Nós não enterramos os nossos mortos. Levamo-los por ai fora, à procura do nosso céu."

"O medo e o desgosto cegaram-no."

"A hora da vingança chega sempre. A da justiça também."

"A solidão era total."

Sem comentários: