terça-feira, 29 de setembro de 2015

Dorothy Koomson - A filha da minha melhor amiga

Uma vida quase perfeita, um namorado que amamos e que nos ama, uma melhor amiga que nos completa, planos para o futuro que de repente mudam totalmente.

O que faríamos se descobríssemos que a filha da nossa melhor amiga, aquela menina que tanto amamos, é na verdade fruto de uma noite da nossa amiga com o nosso namorado?
Como reagiríamos à traição? E se dois anos depois de virarmos costas aos dois e os apagarmos da nossa vida descobríssemos que a nossa melhor amiga está a morrer e ela nos pedisse para adoptar a filha dela? Conseguiríamos lidar com os fantasmas do passado?

Um excelente livro que mostra que não adianta fugir dos problemas, eles vão connosco para onde quer que se fuja, e que há pessoas que aconteça o que acontecer, nunca deixaremos de amar.


"Sorriu porque vocês são meus irmãos e riu porque nada podem fazer para evitá-lo."

"Andava cansada à tanto tempo que já nem me lembrava desde quando, pelo menos com exactidão."

"Por mais que dormisse, estava sempre cansada. Visceralmente cansada."

"Não acreditei. Não, não é verdade. Eu acreditei, só não compreendi. Não compreendi porquê. Nem como. A mim não."

"Eu chorava, soluçava e gemia. Sim, gemia. Fazia um barulho medonho enquanto me desfazia num milhão, num trilião de pedaços."

"Cada aniversário é um bónus."

"A porta estava entreaberta e não se queixou quando eu a empurrei devagarinho. Não bati. Nunca batia a uma porta já aberta. Pois, para mim isso queria sempre dizer «entre, não é preciso bater»."

"Ela sempre tivera mais estilo do que juízo."

"Eu não sabia que ela estaria assim. Débil. Como uma folha de Outono anémica - tão seca, quebradiça e frágil que um só toque a faria fragmentar-se em milhões de pedaços."


"Confio em ti para quebrares o tabú."

"Tu só tens de olhar por ela. Ser a mãe dela. Amá-la."

"Tu gostavas dela e eu recuso-me a acreditar que isso mudou."

"Não quero pensar nisso, não quero ouvir falar nisso e muito menos quero conversar sobre isso. São águas passadas. Esquece isso."

"Era uma ferida que não sarara. Ela estivera a puxar uma crosta superficial, uma crosta que ocultava um ferimento tão profundo que a mais pequena sacudidela faria com que dele voltasse a jorrar sangue."

"Ainda estou a tentar assimilar esta situação, lembraste? Ainda não cheguei a essa página."

"Nenhuma de nós teria suportado se não houvesse, pelo menos, a esperança de que tu regressarias."

"Queria ficar ali sentada durante todo o dia. Durante toda a noite. Para sempre."

"Eu não era tão descarada e dura como fingia ser."

"Não conseguia ser uma cabra até ao fim."

"Dar intimidade a alguém era estar a pedir uns pontapés emocionais um dia mais tarde."

"Finges ser espinhosa, mas no fundo, e nem sequer é bem lá no fundo, és simplesmente deslumbrante."

"Eu não era engraçada, não era simpática e não ia recorrer ao sexo para chamar a atenção. Em suma, a bruxa malvada do oeste tinha, provavelmente, mais sorte debaixo do edredão do que eu."

"Julgas que as pessoas não gostam de ti nem simpatizam contigo e, por isso, transmites a impressão de que não queres saber o que os outros pensam."

"Será que eu tinha a palavra «inadaptada» escrita na testa?"

"Não sei como deixar de ser como sou. Passei tanto tempo com pessoas que não gostam de mim que tento não aborrecer. Percebo um pouco de vidas complicadas. A minha não é tão má como algumas, mas não é nada perfeita."

"De repente, senti-me como uma genocida ocidental."

"Por alguma razão insondável, eu soube que ela faria parte da minha vida durante muito tempo."

"Cada desconhecido é um amigo que ainda não conhecemos."

"Quando lhe telefonava ficava um caco depois de desligar. Sempre a chorar e prestes a vomitar, sempre a perguntar-se o que poderia fazer, como poderia mudar para fazê-lo gostar dela um bocadinho que fosse."

"Surpreendentemente, irritantemente, deprimentemente, ninguém desconfiava do que estava a acontecer."

"Todos precisamos de esperança para viver."

"Batia o coração de uma rapariga apavorada."

"A minha fobia suprema? As pessoas."

"A questão não era eu não querer relacionar-me com os outros, mas simplesmente, não saber como fazê-lo."

"Ás vezes, penso que as pessoas percebem que me falta qualquer coisa , que sou vazia."

"Ás vezes penso que sou uma concha e não consigo compreender porque é que as pessoas gostam de mim."

"Não precisas de ter medo. Eu cuidarei sempre de ti. Acho-te fantástica. És tudo para mim."

"Nós tínhamos um equilíbrio. Uma perfeita simetria de amor, sinceridade e confiança. Com ele «compromisso» e «para sempre» não eram conceitos; eram uma realidade."

"O meu coração parou a meio de uma batida e o ar ficou preso no meu peito. Parecia que o tempo parara."

"Estava a tentar convencer-me de que estava a ser ridícula, de que o meu coração parara de bater várias vezes sem motivo."

"Quem me dera que a minha índole me permitisse chamar-lhe nomes. Esbofetear-lhe a cara e puxar-lhe os cabelos. O máximo que consegui fazer foi sair e nunca mais voltar."

"Parecia muito respeitável, normal e até dócil. No entanto, nas veias daquela mulher corria pura maldade."

"Estava furiosa. Completamente e totalmente furiosa. Esta fúria inundou-me até eu ficar calma. Amorteceu todas as outras emoções até eu nada mais sentir."

"A minha mente encerrou-se em si mesma, enquanto o meu coração batia e voltava a bater sonoramente nos meus ouvidos."

"As crianças nunca tinham pertencido à esfera do meu destino, não constavam da minha lista de coisas a fazer."

"Era-me quase impossível esconder o meu afecto, sobretudo quando ele estava a dormir e era pouco provável que testemunhasse a minha vulnerabilidade em relação a ele."

"Sentia-me humilhada, envergonhada e, em última análise, isolada. Quando não podemos ser sinceros com as pessoas, não podemos sequer estar à vontade com elas, receando deixar escapar alguma coisa."

"Se tivesse ficado à espera de encontrar o amor para fazer sexo, enfim, nunca teria dado uma queca."

"Deste-lhe do que é bom?
Se dei - não vai andar como deve ser durante uma semana."

"Ainda me odeio por ter estragado o que eles tinham."

"Eram a melhor amiga uma da outra, e não suportavam estar separadas. Não eram plenas uma sem a outra."

"Era uma ideia horripilante, saber que alguém que amamos não conheceria o futuro."

"Que ela saiba que haverá sempre alguém que a ama, aconteça o que acontecer."

"Eu sempre a adorei. Não podia deixar de gostar dela sem mais nem menos."

"Se nos disserem alguma coisa vezes suficientes, acreditamos. É uma profecia que se auto-realiza."

"O tempo é curioso a esse ponto. É infinito. Eterno. Nós não somos."

"Pensei que podia desfazer-se se a apertasse com demasiada força."

"Era hoje o dia. Eu sentia-o na minha alma."

"Eu soube. Assim que os meus olhos pousaram no seu rosto, eu soube. Mas também não soube, não estava preparada."

"O bando de borboletas que esvoaçavam pelo meu estômago caíram de repente pelo meu corpo."

"Começou numa pequena noz de dor bem no meu intimo, mas esta foi crescendo cada vez mais até se transformar numa sufocante bola de sofrimento. Ela tinha morrido. Nunca mais voltaria a vê-la. Nunca mais voltaria a falar com ela. Nunca mais iria pegar-lhe na mão e chamar-lhe preguiçosa pateta. Nem senti-la a puxar-me os cabelos e ouvi-la dizer-me para parar de ser uma chata com cara de poucos amigos. Nem ficar apenas sentada com ela a ver televisão. Derramei a primeira vaga de lágrimas. Ela tinha-me abandonado. Eu tinha-a deixado, mas ela tinha-me abandonado a mim para sempre. A minha melhor amiga tinha morrido.
O meu corpo balançou-se novamente quando as lágrimas caíram numa nova torrente. Eu queria chorar assim desabar e ir-me abaixo."

"Todas as réstias de força tinham desaparecido e restava apenas uma grande poça de lágrimas.
E não me sentia melhor, cada soluço não aliviava o sofrimento, antes trazia mais."

"Inspirei profundamente e senti o aperto da emoção a comprimir-me os pulmões."

"Era o meu desejo mais intenso: enterrar a cara na almofada, tapar os ouvidos e esperar que tudo aquilo passasse."

"Um lugar para tudo e tudo no seu lugar."

"Tegan era um universo de pensamentos, emoções, necessidades e carências ao qual eu não tinha acesso."

"Eu não estava talhada para viver no silêncio e na solidão."

"Estava farta de sentir perda, dor e solidão, como tinha acontecido nas semanas anteriores; queria ter outro tipo de sentimentos. Quaisquer outros sentimentos. Mesmo que fosse por escassos instantes. Mesmo que isso só contribuísse para agravar os meus problemas."

"Tínhamos uma amizade em que ambas nos apoiávamos mutuamente, a sua ausência nunca me passava despercebida."

"Sendo-se homem, sai-se sempre a ganhar, em qualquer situação."

"A dor é difícil para todos."

"Indignação, mágoa, raiva eram todos sentimentos exprimidos pelo seu silêncio."

"Ser mãe era extenuante. Eu não sabia como é que alguém que tivesse um filho podia fechar os olhos à noite e adormecer quando o mundo estava rodeado de perigo. Como poderíamos descansar um segundo quando o receio de que algo acontecesse ao nosso filho pairava sobre nós?"

"O meu rosto estava limpo, mas eu ainda senti o rasto que as lágrimas tinham deixado, um resíduo de dor que se tinha vertido enquanto dormia."

"A deterioração das nossas relações era directamente proporcional ao tempo que passávamos juntos."

"Não havia meias medidas, dedicava-se a cem por cento a tudo o que fazia."

"Sempre que estava com ele, ficava nervosa, à espera do próximo insulto, do próximo olhar."

"Há uma ligação tão forte entre nós. Nunca me senti assim. Em relação a ninguém."

"A aparência não é tudo, a agilidade e a imaginação na cama é que são."

"O facto de sermos paranóicos não quer dizer que as pessoas não queiram tramar-nos."

"Os pais solteiros eram constantemente apresentados como párias na sociedade, mas deviam ser aclamados como heróis - criarmos filhos sozinhos sem nos deixarmos ir abaixo, era para mim, um milagre."

"Apesar de já terem passado 18 meses, eu ainda sofro. Ainda a quero de volta."

"Soltou um suspiro teatral, como se eu estivesse a ser intencionalmente obtusa."

"Uma parte de mim admirava aquele espírito pioneiro, mas a outra parte de mim queria perguntar-lhe do que andava ele a fugir."

"Mais do que luxúria, menos do que amor; um misto ousado de emoções que culminaria num sexo fantástico...e em problemas."

"Nunca amarei ninguém como te amo a ti. Nunca."

"Gostava de fazer amor contigo, mas só se eu não te der vontade de adormecer."

"Era mais do que sexo físico, era também sexo emocional."

"Aninhou-me bem perto de si, nos seus braços, como se eu pudesse evaporar-me se ele não me agarrasse com força suficiente."

"Queria que ele soubesse que havia alguém que o desejava. Que ficaria perdida sem ele."

"Eu escolhi ter-te comigo. E eu não sou obrigada a ficar contigo, mas quero ficar. Quero ficar sempre contigo, e aconteça o que acontecer, quererei sempre manter-te junto de mim."

"A minha cara mente há anos."

"Não podia compreender quão dilacerada eu me sentia na maior parte das vezes."

"Eu estava a aguentar-me ao recorrer à negação, ao ignorar a dor."

"Cheiras a um raio de sol."

"O mundo tinha seguido adiante sem o meu conhecimento."

"Nate soubera tocar-me de tantas maneiras diferentes."

"Tínhamos passado seis anos a fazer todo o tipo de amor físico e, agora, a única forma de toque que nos era permitida era a troca de beijos superficiais. De certo modo, parecia que aquilo estava errado."

"Já nessa altura nós sabíamos que estávamos destinados a ficar juntos, não sabíamos?"

"Quando cheguei a casa, naquela noite, eu soube que tinha de voltar a ver-te depressa, pois nunca ninguém me tinha tocado como tu me tocaste. Não dormi com mais ninguém desde aquela noite."

"Dilacera-me por dentro... e não consigo falar sobre o assunto."

"A minha mente é uma armadilha de aço."

"Na maior parte das vezes não sei o que faço nem o que sinto."

"Não era o meu rochedo, era um homem capaz de cometer traição."

"Só percebemos a quanto tempo equivale a eternidade quando já nada podemos fazer."

"Ela sentia, bem no fundo da sua alma, que ele era o tal."

"Tentando separar os pensamentos dos sentimentos."

"Ambos sabemos que ela nunca amou ninguém além de ti."

"Sou exagerada. Demasiado de tudo em todos os momentos. Não conseguia pôr partes de mim, de lado, por mais que já tivesse sofrido."

"Durante mais de dois anos, não consegui falar sobre isso, porque me tinha destroçado."

"Eu não estava preparada... Não tive a oportunidade de me despedir. Não lhe pedi desculpa. Não lhe disse que não a odiava. Não lhe disse que a amava. Fui-me embora sem saber que seria a última vez que a via."

"Tinha demasiado medo de ouvir mas queria despedir-me. Eu queria apenas despedir-me."

"Tu já foste afastado. Quanto mais depressa nos acostumarmos a isso, melhor."

"Eu sabia que aquela percepção, a derradeira aceitação de que nunca mais veríamos aquela pessoa, se assemelhava a uma espada a trespassar-nos o coração."

"Chorar era um escape aceitável, mesmo que nos fizesse sentir vazios e em carne viva por dentro."

"Por muito que o meu coração pulasse quando ele estava por perto ou o meu estômago se revolvesse quando os nossos olhares se cruzavam acidentalmente. A minha relação com Nate eram águas passadas."

"Aprendi que a vida é curta, demasiado curta para guardar ressentimentos. Demasiado curta para excluir as pessoas sem antes ouvir o que elas têm a dizer."

"A minha melhor amiga sabia que eu a amava incondicionalmente."

Sem comentários: