terça-feira, 15 de setembro de 2015

Brian Weiss - O passado Cura

Neste livro somos “apresentados” ao facto de que esta vida que vivemos não é a nossa primeira vida, ou seja, antes de chegarmos aqui já vivemos várias outras vidas, já passamos por várias outras coisas e inevitavelmente já morremos várias vezes...
Portanto antes de começar a ler este livro é importante ter noção de que a perspectiva que temos da vida vai ser alterada radicalmente.

Algumas pessoas vão ler e desistir nas primeiras páginas, nem toda a gente está pronta para aceitar que o que sofremos nesta vida poderá já ter acontecido numa outra vida, esta informação gera sentimentos contraditórios.
Por um lado temos a informação de que a morte não é o fim de nada e por outro a ideia de que podemos andar há séculos a sofrer com os mesmo problemas, definitivamente nem todas as pessoas estão preparadas para lidar com isto e muitas poderão sentir-se deprimidas com essa informação; no entanto quem conseguir passar as primeiras páginas, mesmo que com cepticismo, vai acabar o livro com uma enorme vontade de saber como foram as suas vidas passadas (eu fiquei muito curiosa para saber que traumas vieram de outras vidas).
E da mesma forma que algumas pessoas se sentirão assustadas e desistirão no inicio do livro, outras sentir-se-ão calmas por saber que existem outras vidas e que nos voltaremos a encontrar com os seres que amamos, e haverão ainda aqueles que mesmo lendo o livro e todos os argumentos, continuarão relutantes em acreditar que a morte não é o fim.

Por vezes o livro exige bastante concentração na leitura e alguns termos técnicos poderão confundir, mas nunca se torna um livro técnico e chato e é sempre possível perceber o essencial de cada capítulo.

Então abra a sua mente, leia e lembre-se: “a morte não é o fim de nada” e “o amor é sempre o mais importante.”
"Dizem-me que há muitos deuses, porque Deus está em cada um de nós."

"Somos imortais. Sobrevivemos à morte física."

"Tudo acontece quando tem de acontecer."

"A intuição pode levar-nos ao intelecto."

"Não é esquisito nem sinal de loucura ter tais experiências. Acontece com todos nós."

"Paz é igual a amor, e amor é igual a sabedoria."

"Ainda não tenho bem a certeza se acredito ou não nesta história de vidas passadas..."

"Ocultar as coisas pode-se tornar perigoso e doloroso."

"Partilhar muitas vidas, com alegrias e tristezas, êxitos e derrotas, amor e perdão, raiva e bondade, e acima de tudo um interminável desenvolvimento com outro ente, traduz o verdadeiro significado de ter uma alma gémea. Uma alma gémea é alguém que encontramos e com quem sentimos de imediato uma ligação, como se já conhecêssemos essa pessoa há muito tempo. E de facto será isso que provavelmente acontece. Não precisamos de estar romanticamente envolvidos com uma pessoa para sermos capazes de experimentar a satisfação e o sentimento de realização característicos de uma ligação com uma alma gémea.
Além disso, nenhum de nós tem unicamente uma alma gémea. A popular ideia ocidental divulgada pelo filósofo Platão, de que cada um de nós tem exclusivamente uma outra metade que pode «completar» a nossa própria alma incompleta, é só parcialmente verdade. Embora alguém em especial possa parecer completar a nossa experiência - partilhando e expandido o nosso desenvolvimento, intimidade, alegria - é muito mais provável que cada um de nós tenha um grupo de almas composto por almas gémeas. Poderá tratar-se de um grupo de almas que vai crescendo à medida que reunimos experiências profundas, cada vez com um maior número de almas e ao longo de muitas vidas, mas o sentimento de ter conhecido alguém antes ou de ter partilhado sentimentos e visões interiores intensas não se limita de modo nenhum a uma única pessoa. Podemos mesmo ter um relacionamento com mais do que uma alma gémea ao mesmo tempo. O nosso parceiro romântico poderá completar a nossa alma de uma maneira, mas isto também poderá acontecer de outras maneiras com um amigo íntimo, um dos pais ou um filho."



"A reunião com uma alma gémea depois de uma longa e involuntária separação é qualquer coisa pela qual vale a pena esperar - mesmo que se trate de uma espera de séculos."

"Porque é que havemos de estar sujeitos à raiva durante meses, quando nos podemos ver livres dela numa hora, num dia ou numa semana?"

"Aquilo que semeamos numa vida é aquilo que iremos recolher na vida seguinte. Isto nem sempre é rigorosamente verdade."

"O espírito é indestrutível e imortal."
"A espiritualidade é uma força de importância vital. As vidas modificam-se por causa dela. Os valores alteram-se. As pessoas tornam-se menos violentas, menos gananciosas, menos egoístas. Deixam de ter tanto medo."

"Como em qualquer forma de sofrimento, o mecanismo de cura envolve o processo de se libertar do medo."

"Morrer não é uma perda - [...] - faz tudo parte da vida."

"A morte não tem de ser primariamente uma experiência de medo, de perda e de separação. Este aspecto da vida que representa o maior desafio também pode ser um tempo de cura, de expansão e de novos começos."

"A morte não é nada absoluto."

"A morte é mais uma transição do que um fim. É como se passássemos por uma porta na direcção de uma outra sala."

"A consciência é imortal e o mesmo se passa com diversos aspectos da personalidade."

"A verdade é absoluta, e a verdade, como o amor, são constantes."

"Quando quiseres confortar alguém, não ouças as suas palavras, essas palavras podem ser ilusórias ou erradas. [...] vai directo ao seu coração, directamente ao ponto onde dói. As suas palavras poderão estar a afastar-te, mas essa pessoa continua a precisar de conforto."

"Todos nós somos seres divinos."

"O amor é o mais importante."

"Mesmo que o sangue possa ser mais espesso do que a água, o espírito é mais espesso do que o sangue."

Sem comentários: