sábado, 2 de maio de 2015

Ana Margarida Oliveira - Pimenta da India

"Pimenta da Índia" é uma nova edição do livro: "Vates A.G.B"

O livro mistura história e romances e gira à volta das trovas de Bandarra - um sapateiro de Trancoso que escreveu versos que dizem conter o futuro de Portugal, e que curiosamente - ou não, já que foram proibidas pelo Marquês de Pombal - são muito difíceis de encontrar.
De qualquer forma o livro gira em torno delas e conta-nos dois romances, um actual e outro do século XVII.
O livro é muito muito bom e para mim só tem um defeito, os diálogos românticos do casal do século XXI que a mim me parecem muito sem sal e um bocadinho forçados e artificiais, mas que são compensados pelo resto do livro.
Recomendo mesmo.

"Um amor tão grande só a finitude o pode terminar." - Luís Rosa

"Os portugueses acreditam no destino."

"O mar atrai. O desconhecido e misterioso mar puxa por todos os instintos aventureiros."

"Amiga [...] de longa data, confidente, alma gémea, irmã de mágoas e alegrias."

"Como se a minha felicidade dependesse deste desafio."

"Sem ter perdido nem procurado, encontrava agora o que lhe faltava na essência."

"Dividido entre o querer e o dever, o que o coração lhe pede e o que a cabeça lhe dita."

"Como se transbordasse de amor."

"Mentindo uma vez, não se pára de mentir."



"Queira Deus que não meta na cabeça que te vou amar para sempre e que vais ser meu um dia!"

"Nada acontece por acaso."

"Era curioso como algo que fazia todo o sentido não fazia, afinal, sentido nenhum."

"Eu não consigo viver sem o seu amor! Sem a sua presença, sem as nossas conversa! Não consigo nem quero."

"Quem ama não faz mal, não quer mal."

"A cabeça, racional, apontava para um caminho, mas o coração, certo do que nutria e sentia, apontava para outro."

"Como se separam duas almas, dois corpos que se querem tanto, que se amam mais do que aquilo que as palavras conseguem dizer, do que aquilo que os gestos, os actos, as confissões, as entregas, os olhos sabem exprimir?"

"Mais do que disfarçar o amor que sentia, tinha de disfarçar o desgosto da separação."

"Contei-lhe segredos e mágoas, chorei com ele, sonhei com ele, sofri ao pé dele, foi minha companhia e meu confidente."

"Tentava negar todos os sentimentos que o seu coração lhe transmitia, mas em vão."

"Charmoso e tímido. Encavacado e sorridente. Querido e receoso."

"É amor demais, a mais. É querer ter, é não dar vazão a tantos sentimentos, a tantas sensações."

"Não há acasos, o destino está escrito."

"É difícil esquecer aquela nossa imagem espelhada no vidro da porta do hotel aqui em Angra quando entrávamos os dois de mãos dadas há dias... Assim tão simplesmente feitos um para o outro... num espelho tão real da nossa imagem... Tão assustadoramente feitos um para o outro... E não só a imagem, não só as duas figuras ao lado uma da outra... São também os olhos que se entendem quando se olham e se vêem, são as mãos no corpo e a ponta do tacto na pele... Tudo se entende: os ouvidos na conversa difícil mas simples, a minha boca na tua gargalhada, os meus lábios na curva do teu pescoço, o teu humor no meu espírito... a tristeza, a novidade, a descoberta, os recados... acho até que temos medo ao mesmo tempo e partilhamos as mesmas dúvidas e as incertezas e mostramos tudo e não nos defendemos de nada... as vitórias e os sucessos... os fracassos e a fraqueza... e a paixão renova-se ao mesmo tempo... o querer é tão igual e puro... a sintonia da entrega... a partilha de tudo o que não chegámos a fazer e o sonho real de poder fazer... é verdadeiramente impressionante e é nobre, é forte, é intenso e é estonteantemente genuíno. Eu não suponha, não imaginava, não acreditava que amor era assim. E nunca fui amada como por ti e nunca amei como te amo... e dói-me quando não te tenho... e falo-te de tudo e oiço-te com tudo... e falo-te de nada e tu ouves sempre... e sou o meu secreto diário todos os dias nos teus ouvidos... e deste-te todo e mostraste-me tudo... e ensinaste-me e eu cresci tanto... Sou uma mulher, agora. E agora ficámos um sem o outro."

"Para ser feliz é preciso apenas ter coragem!"

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas,
que já têm a forma do nosso corpo,
e esquecer os caminhos,
que nos levam sempre aos mesmos lugares.

É o tempo da travessia e,
se não ousarmos fazê-la,
teremos ficado, para sempre,
à margem de nós mesmos." - Fernando Pessoa

"Não é preciso ir ao espaço. Descer ao fundo do mar é como chegar a outro planeta." - Joachim Jakobsen

Sem comentários: