sábado, 6 de setembro de 2014

Anne Tyler - No tempo em éramos adultos

E se um dia se olhasse ao espelho e não se reconhecesse?
Se um dia parasse para olhar para dentro de si e visse uma pessoa que não corresponde aquilo que sempre sonhou?
O que faria?

É daqueles livros que apesar de querermos saber o que vem a seguir conseguimos perfeitamente deixar de ler (não sentimos aquela ânsia de chegar ao fim que nos faz ler pela madrugada dentro).
O tema principal até é bom, uma mulher que um dia se apercebe que não reconhece aquilo em que se tornou, mas é só isso... ficamos sempre à espera (eu pelo menos) que ela dê uma reviravolta na sua vida e no fim perguntamos "mas isto acaba mesmo assim?".
Acho que é daqueles livros que podemos viver sem ler.


"Têm de admitir que o amor é um desperdício. É caro, inconveniente, demorado, confuso..."

"As pessoas imaginam que sentir a falta de um ente querido funciona mais ou menos como sentir a falta dos cigarros. [...] O primeiro dia é realmente difícil  mas o seguinte é menos difícil e assim sucessivamente, tornando-se cada vez mais fácil à medida que o tempo passa. Mas é antes como sentir a falta da água. A cada dia que passa, vamos notando cada vez mais a ausência da pessoa."

"Não preciso de novidade só pela novidade."

"Nunca é demasiado tarde para fazeres o que queres fazer."

Sem comentários: