sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Héctor Abad Faciolince - Receitas de amor para mulheres tristes

O livro em si é estranho, são receitas metidas no meio de textos e as receitas são bem malucas - por exemplo comer carne de mamute - mas tem uns textos bonitos e outros que fazem rir.
Na minha opinião é mais um daqueles livros que vale a pena ler se tivermos em casa ou nos for oferecido mas que eu não compraria.
"Ninguém conhece as receitas da felicidade"

"Quem disse que é proibido estar triste?"

"Não tentes nunca imitar as receitas da tua sofra, a não ser depois do terceito aniversário do seu enterro. Com ela viva, seria um grande erro, pois o teu marido dirá que não é a mesma coisa, que falta sal ou o tem a mais, que não está bem apurado, que falha a textura ou que a cor é diferente. Além de que a mãe dele, se estiver viva, se sentirá ainda mais afastada.
Mas quando a sogra falecer e estiver também desfalecendo a sua memória, quando passarem os meses e já poucos se lembrarem de lhe enfeitar a sepultura com flores - então, reviver os sabores que eram dela será uma surpresa bem vinda. Ficará igual a receita, nem insossa nem salgada, bem apurada, com a textura no ponto e a cor idêntica. E em vez de a afastares terás ressuscitado o melhor dela."


"As mudanças mais importantes nas nossas vidas acontecem de um modo quase imperceptível."

"Enquanto não te sentires segura acerca daquele que te abraça, obriga-o a envolver-se em látex."

"Tudo o que é de mais sempre foi veneno." - Quevedo

"Os homens são covardes a amar."

"Talvez não saibas, mas num canto qualquer da terra existe um homem à tua procura."

"Até dares um beijo profundo e prolongado não saberás se gostas até à morte de quem gostas."

"Ninguém te pode indicar a infalível estrada da felicidade. Essa, és tu que a fabricas."

"O ciumento é cornudo antes do tempo, pois acredita nas suspeitas e nega a verdade."

Sem comentários: