sexta-feira, 25 de julho de 2014

Francesco Alberoni - Enamoramento e amor

Não gostei do livro, não gostei da escrita que por vezes nem faz sentido (eu pelo menos não o achei), não gostei da comparação entre o cristianismo, o islamismo, o marxismo e o enamoramento, não concordei com 95% das teorias dele.
Enfim, resumindo não gostei da forma como ele abordou toda a questão do enamoramento e como o livro é todo sobre isso, não gostei do livro.

(Mas isto é só a minha opinião, deve existir muita gente a gostar do livro visto que vai na 19º edição.)


"O inconsciente é imortal."

"Tanto os terapeutas da família como os do amor têm em mente apenas aquele «viveram felizes e contentes» do conto de fadas, que prometem a torto e a direito como se fosse a coisa mais fácil de realizar. Todos os psicólogos, sociólogos e assistentes sociais, vários tipos de terapeutas, no fundo, apenas prometem isto: a felicidade perfeita e contínua, mas ao fazerem-no são como os médicos charlatões que andavam pelas praças com o frasquinho do elixir de longa vida ou da eterna juventude. Na realidade, se a eterna juventude é biologicamente impossível, se é um contra-senso biológico, o mesmo deve dizer-se da felicidade, da tranquilidade continua, do «viveram felizes e contentes», que é um contra-senso no plano da experiência existencial."

"Sei que amo e não posso deixar de amar, sei que tenho um limite que não posso deixar de ter, e aceito-o."

Sem comentários: